Nyar

Conheça um pouco de Nyar

O Continente de Nyar é o único local habitável que restou no mundo após a guerra divina. Nele vivem as mais diversas raças sem exceções.

A guerra que ocorreu a cerca de 150 anos destruiu boa parte do mundo , mudando o relevo , clima e obrigando todos a se adaptarem. A guerra danificou e enfraqueceu muito o trama da magia e a maioria dos arcanos pereceram nessa época. A magia é incomum no mundo hoje em dia e muitos consideram que o uso indiscriminado das artes arcanas foi o estopim da guerra entre os deuses. 

Humanos com sua capacidade de se adaptar foram os que mais rapidamente se recuperaram da destruição que ocorreu. Sendo hoje a raça dominante na região.

Elfos foram os que mais sofreram com a guerra, seja por mortes ou pelos horrores do caos pós- guerra. Sem magia e traumatizados os Elfos se refugiaram em algumas florestas e um povo que antes era pacífico hoje defende com agressividade cada centímetro de seu lar.

Resultado da chamada década de Caos que sucedeu o fim da Guerra divina a população de Meio-elfos e Meio-orcs em sua maioria filhos de estupro é considerável. Em geral os meio-elfos são os únicos não elfos que tem permissão de transitar dentro das terras élficas. São valiosos emissários e bem vistos entre os povos, porém sentem com a falta de um lar verdadeiro. Já os meio-orcs não tem tanta sorte. Marginalizados, tendem a viver isolados em tribos, compartilhando o sentimento de não pertencer verdadeiramente a nenhumlugar com seus primos mais bem aceitos. Há boatos que ambas as raças estão se unindo para criar um local onde possam viver em paz.

Os anões se fecharam em suas montanhas logo quando a desgraça atingiu a terra de Nyar acolheram seus primos gnomos e protegeram os pequenos Halflings. Essas três raças parecem ter sofrido menos com as guerras no entanto a batalha dentro das montanhas foi feroz quando orcs, goblins e outros seres do subterrâneo tentaram refúgio no lar Anão.

Hoje os Halflings vivem em pequenos vilarejos ao pé das montanhas da região de Olen e se refugiam do inverno com seus tios anões, como costumam dizer.

Os gnomos ocupam algumas montanhas próximas aos anões e seus laços continuam fortes com seus primos. A troca constante de informações entre ambos tem ajudado muito no desenvolvimento tecnológico do mundo. O descobrimento da pólvora sendo o mais proeminente da última década. No entanto nem todos  olham essas evoluções com bons olhos.

View
Welcome to your campaign!
A blog for your campaign

Wondering how to get started? Here are a few tips:

1. Invite your players

Invite them with either their email address or their Obsidian Portal username.

2. Edit your home page

Make a few changes to the home page and give people an idea of what your campaign is about. That will let people know you’re serious and not just playing with the system.

3. Choose a theme

If you want to set a specific mood for your campaign, we have several backgrounds to choose from. Accentuate it by creating a top banner image.

4. Create some NPCs

Characters form the core of every campaign, so take a few minutes to list out the major NPCs in your campaign.

A quick tip: The “+” icon in the top right of every section is how to add a new item, whether it’s a new character or adventure log post, or anything else.

5. Write your first Adventure Log post

The adventure log is where you list the sessions and adventures your party has been on, but for now, we suggest doing a very light “story so far” post. Just give a brief overview of what the party has done up to this point. After each future session, create a new post detailing that night’s adventures.

One final tip: Don’t stress about making your Obsidian Portal campaign look perfect. Instead, just make it work for you and your group. If everyone is having fun, then you’re using Obsidian Portal exactly as it was designed, even if your adventure log isn’t always up to date or your characters don’t all have portrait pictures.

That’s it! The rest is up to your and your players.

View

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.